Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

05/09/2014
PROTEÍNA C REATIVA (PCR)

PROTEÍNA C REATIVA (PCR)

Stephanie Oliveira¹, Rogério Ultra²

¹- Especializanda em Fisioterapia em Terapia Intensiva - SOBRATI, Fisioterapeuta do CTI da Obra Portuguesa

² Mestre em Terapia Intensiva - SOBRATI, Mestre em Saúde e qualidade de vida - UNIG, Doutor hon. UDABOL

 

A proteína C reativa (PCR) é uma das proteínas de fase aguda (PFA). Proteínas de fase aguda são aquelas cuja concentração sérica aumenta ou diminui pelo menos 25% durante estados inflamatórios. No entanto, apesar do nome, elas também podem sofrer alterações durante processos inflamatórios crônicos.

 

A PCR foi descoberta em 1930 e recebeu esse nome porque reagia com o polissacarídeo-C dos pneumococos na fase aguda da pneumonia pneumocócica. A dosagem da PCR é, portanto, determinação direta de uma PFA e na presença de quadros inflamatórios suas concentrações séricas alteram-se mais rapidamente e sua variação é mais ampla que a da VHS. Em pós-operatório apresentam maior sensibilidade para detectar complicações do que elevações de VHS, de leucócitos, de frequência cardíaca ou do aparecimento de febre. Ao contrário da VHS, a dosagem da PCR não sofre interferência da presença de anemia, policitemia, esferocitose, macrocitose, insuficiência cardíaca congestiva ou de hipergamaglobulinemia.

Na presença de clínica sugestiva, sua maior utilidade está na pesquisa de estados inflamatórios, sem, todavia, distinguir com precisão o mecanismo etiológico. Ocorrem elevações não só em infecção, mas na presença de inflamação sistêmica por artrite reumatoide, no infarto do miocárdio, na pancreatite necrotizante, em politrauma, em neoplasias, em vasculites e até possivelmente em alguns casos de síndrome serotoninérgica, para citar apenas algumas situações.

 

 

 

Valor de referência: até 5 mg/L.

 


 

 

 

Referência Bibliográfia:

 

AGUIAR, Francisco J.B. et al. Proteína C reativa: aplicações clínicas e propostas para utilização racional. Rev. Assoc. Med. Bras. [online]. 2013, vol.59, n.1, pp. 85-92. ISSN 0104-4230.Digite aqui o conteúdo

Voltar
18/10/2017 - 1:50:42
Apoio